Av. Paulista, 91 – Cj.706, Bela Vista, São Paulo - SP  |   (11) 3141-0669 | (11) 9 3250-0669 | (11) 97393-3205  |   secretaria@cec.med.br
Discectomia lombar minimamente invasiva

A discectomia lombar é uma cirurgia que envolve a remoção de todo ou parte de um disco intervertebral danificado para aliviar a pressão sobre o nervo espinhal na coluna lombar, que é a parte inferior das costas. Em alguns pacientes, este procedimento pode ser realizado através de técnicas cirúrgicas minimamente invasivas.

 O que é uma discectomia lombar minimamente invasiva?

A discectomia lombar é um procedimento cirúrgico que alivia a pressão exercida sobre as raízes nervosas e/ou a medula espinhal por um disco ou por protuberâncias ósseas na região lombar – uma condição conhecida como compressão da raiz nervosa. O termo lombar diz respeito a cinco vértebras da parte inferior das costas. Os discos têm consistência esponjosa, funcionando como verdadeiras “almofadas de cartilagem” entre as vértebras. Numa discectomia lombar, o cirurgião acessa a coluna lombar através de uma incisão nas costas na altura dos níveis vertebrais a serem tratados e remove todo ou parte do disco ou material ósseo que está pressionando os nervos e causando dor. Assim, por eliminar a compressão da raiz nervosa/nervo, a discectomia lombar é considerada um procedimento descompressivo da medula. A cirurgia da coluna tradicional, aberta, envolve o corte ou dissecção dos músculos da coluna vertebral. Já a cirurgia minimamente invasiva requer uma pequena incisão ou incisões e dilatação do músculo, permitindo que o cirurgião separe os músculos ao redor da coluna vertebral, ao invés de cortá-los.

Quando eu posso precisar deste procedimento?

A discectomia lombar minimamente invasiva pode ser recomendada para aliviar a pressão exercida sobre a medula espinhal ou sobre suas raízes nervosas. Em geral, a cirurgia da coluna é recomendada quando o material do disco intervertebral ou ósseo está pressionando ou pinçando esses elementos neurais e você está enfrentando: Dor nas pernas que limita suas atividades diárias normais, fraqueza ou dormência na(s) perna(s) ou pés, função intestinal e/ou vesical prejudicada.

Como é realizada uma discectomia lombar minimamente invasiva?

Depois de uma pequena incisão, os músculos da coluna são dilatados, ou levemente separados, e um espaçador tubular é inserido para criar um portal, através do qual o cirurgião pode realizar a cirurgia. Através do afastador tubular, uma porção da lâmina (o elemento vertebral ósseo que cobre a porção posterior do canal espinhal) é removida para expor a região compactada da medula espinhal ou da raiz do nervo. A pressão é aliviada através da remoção da fonte de compressão – a totalidade ou parte de um disco herniado, com uma saliência áspera de osso chamada “esporão”, ou em alguns casos, um tumor. A pequena incisão é fechada, o que normalmente deixa uma cicatriz mínima.

Quanto tempo será necessário para a minha recuperação?

Seu cirurgião terá um plano de recuperação pós-operatório específico para ajudá-lo a voltar ao seu nível de atividade normal o mais breve possível. Após uma cirurgia minimamente invasiva, você pode notar uma melhoria imediata de alguns ou de todos os seus sintomas, mas há sintomas que podem melhorar de forma mais gradual.

A duração da sua internação hospitalar dependerá de seu plano de tratamento. Normalmente os pacientes passam por um curto período de internação no hospital, até o final do primeiro dia após a cirurgia. Seu retorno ao trabalho vai depender de como o seu corpo reagirá, bem como do tipo de trabalho/atividade que você pretende voltar a desempenhar. É importante que você colabore com o seu cirurgião e siga as suas instruções, para que ele determine o protocolo de recuperação mais adequado para você e para otimizar o processo de cicatrização. Para definir se você é um candidato para uma discectomia lombar minimamente invasiva, converse com o seu médico.

Existem potenciais riscos ou complicações?

Os resultados são individuais e podem variar de paciente para paciente. Complicações como infecções, danos aos nervos, coágulos de sangue, perda de sangue e problemas de bexiga e intestino, além das complicações associadas à anestesia, são alguns dos riscos potenciais da cirurgia da coluna vertebral. Um risco inerente à fusão vertebral é a falha do enxerto ósseo vertebral em fundir adequadamente, o que pode requerer cirurgia adicional. Por favor, consulte o seu médico para obter informações acerca das indicações, advertências, precauções, eventos adversos, resultados clínicos e outras informações médicas importantes que dizem respeito à discectomia lombar minimamente invasiva. O material contido neste site tem caráter apenas educativo. As informações aqui encontradas não podem substituir a avaliação do seu médico assistente. Para diagnóstico e tratamento adequados, consulte um especialista no assunto.