Av. Paulista, 91 – Cj.706, Bela Vista, São Paulo - SP  |   (11) 3141-0669 | (11) 9 3250-0669 | (11) 97393-3205  |   secretaria@cec.med.br
Síndrome da cauda equina

Síndrome da cauda equina é uma doença grave causada pela compressão e inflamação dos nervos na parte inferior do canal vertebral. A gravidade se dá ao fato de poder resultar em paralisia, incontinência intestinal / urinária e a outros problemas de sensibilidade e perda de movimento. Uma vez diagnosticada, a cirurgia da coluna é normalmente necessária e urgente.

O que é a Síndrome da cauda equina?

A medula espinhal se estende a partir da base do cérebro à zona entre o fundo da primeira vértebra lombar e a parte superior da segunda vértebra lombar, e a sua função principal é a transmissão de sinais de nervos entre o cérebro e o sistema nervoso periférico.

A medula espinhal termina abaixo deste nível divergindo em nervos individuais que viajam para fora da coluna em direção aos membros inferiores. Por causa da sua aparência, este grupo de nervos é chamado cauda equina. A síndrome é então causada pela diminuição significativa e abrupta do canal espinal, que comprime as raízes nervosas abaixo do nível da medula espinhal.

Quais são os sintomas da síndrome de cauda equina?

Os sintomas da síndrome da cauda equina incluem:

  • Dor lombar localizada e intensa
  • Dor em ambas as pernas que começa nas nádegas e percorre a parte de trás das coxas
  • Entorpecimento na virilha ou área de “anestesia em sela”
  • Comprometimento do intestino e bexiga
  • Fraqueza muscular das extremidades inferiores e perda de sensibilidade (paraparesia bilateral)
  • Reflexos dos membros inferiores reduzidos ou ausentes

As causas da síndrome da cauda eqüina pode incluir:

  • Lesão traumática
  •  Hérnia de disco – normalmente central e volumosa
  • Estenose espinhal
  • Tumores da coluna vertebral
  • Condições inflamatórias, tais como a espondilite anquilosante
  • Infecção no canal medular (empiema epidural)
  • Procedimentos médicos anteriores (ex: raquianestesia contínua, instrumental cirúrgico fora da posição devida, como um parafuso ou cage)

A Síndrome da cauda equina é considerada uma emergência cirúrgica. Por favor, procure assistência médica imediata ou vá ao pronto-socorro local caso você acredite ter desenvolvido os sintomas da síndrome da cauda equina.

Alguns dos primeiros sintomas relacionados à síndrome da cauda equina, incluindo dor lombar e fraqueza muscular, são semelhantes aos associados com as condições da coluna vertebral menos graves, como uma hérnia de disco póstero-lateral, que não necessitam de cuidados urgentes. No entanto, se você desenvolver dor ou perda de sensibilidade na região perineal ou em nos órgãos genitais, retenção urinária ou fecal aguda, deve contactar o seu médico imediatamente.

Como é a síndrome de cauda equina diagnosticada?

Para determinar se você tem a síndrome da cauda equina, o seu médico irá examinar suas costas e seu histórico médico, e pode pedir um raio-x, cintilografia óssea, mielograma, tomografia computadorizada (TC) e / ou ressonância nuclear magnética (RNM) para descartar um outro distúrbio como a causa de seus sintomas.

Como é a síndrome de cauda equina tratada?

Em muitos casos de síndrome da cauda equina a descompressão cirúrgica do canal vertebral é recomendada como a opção de tratamento mais adequado. O objetivo é aliviar a pressão sobre os nervos da cauda equina, removendo as estruturas que os estão comprimindo e aumentando o espaço disponível para os nervos no canal medular.

Além da descompressão dos nervos afetados na cauda equina, o médico também vai procurar tratar a causa subjacente da doença. Para os doentes com infecções ou tumores, por exemplo, podem ser prescritos antibióticos ou quimioterapia. A remoção  de parte do osso da coluna e / ou do material do disco (laminectomia ou discectomia) pode ser recomendada para aqueles cuja síndrome da cauda equina foi causada por uma hérnia de disco volumosa.

Os benefícios da cirurgia da coluna, no entanto, devem ser pesados ​​contra os riscos. O cirurgião será capaz de discutir os riscos e benefícios da cirurgia com você, e os resultados prováveis ​​do tratamento cirúrgico e não-cirúrgico.