Av. Paulista, 91 – Cj.706, Bela Vista, São Paulo - SP  |   (11) 3141-0669 | (11) 9 3250-0669 | (11) 97393-3205  |   secretaria@cec.med.br
Osteoporose

Doença silenciosa, a osteoporose é uma doença óssea caracterizada pela diminuição da massa óssea e deterioração posterior do tecido ósseo.

O que é Osteoporose?

A osteoporose é uma doença óssea caracterizada por diminuição da massa óssea e a subsequente deterioração do tecido ósseo. Muitas vezes chamada de “doença silenciosa”, esta condição progressiva torna os ossos mais porosos, finos e frágeis, e, portanto, mais susceptíveis a fraturas. A espinha pode ser particularmente vulnerável – fraturas de compressão vertebral podem ocorrer em pessoas nas quais a osteoporose alcançou o estágio avançado.

Homens, mulheres e, em casos raros, até mesmo as crianças, podem desenvolver osteoporose. No entanto, a condição é mais comum em adultos mais velhos. Estima-se que 44% dos americanos com mais de 50 anos – cerca de 44 milhões de pessoas – foram diagnosticados com a doença ou identificados com risco aumentado para a osteoporose devido à baixa massa óssea. Das pessoas diagnosticadas com osteoporose, 80% são mulheres.

A causa exata da osteoporose é desconhecida, mas há fatores de risco bem estabelecidos. Idade, nutrição, estilo de vida e genética, bem como certas condições médicas e o uso de alguns medicamentos, podem desempenhar um papel importante no desencadeamento da doença.

Idade

Durante a infância e o início da idade adulta, o corpo cria um novo osso mais rapidamente do que a sua capacidade de absorção do osso existente, num processo que começa a se inverter em torno de 30 anos de idade. A perda óssea em mulheres acelera quando a produção de estrogênio diminui, geralmente entre as idades de 45-55 anos. Da mesma forma, os homens começam a experimentar a perda óssea quando a sua produção de testosterona diminui, geralmente em torno de 45-50 anos de idade.

Uma das razões pelas quais as mulheres são mais propensas a desenvolver osteoporose, e o fazem mais cedo, é que os seus ossos são geralmente menores e mais leves do que os homens. Pessoas que não atingem a espessura óssea ideal quando jovens também são mais propensas a desenvolver a doença. 

Nutrição

A força óssea é um produto da massa de ambos os ossos e da densidade. A densidade óssea depende, em parte, da quantidade de cálcio, fósforo e de outros minerais do osso. Ossos deficientes nestes minerais tendem a ser mais fracos, com a estrutura interna de suporte inferior, o que os torna mais porosos e frágeis.

Dieta excessiva ou distúrbios alimentares, como a anorexia nervosa, podem contribuir para a perda de massa óssea. Estudos têm demonstrado que as bebidas de cola, que contêm ácido fosfórico, podem também interferir com a capacidade dos ossos de absorver o cálcio. 

Estilo de vida

As pessoas que praticam pouco ou nenhum exercício físico correm maior risco de desenvolver osteoporose. Em exercícios como caminhada, corrida e levantamento de peso, os músculos e os ossos trabalham contra a gravidade, o que ajuda a manter a sua força e densidade. Fumar aumenta a perda de densidade óssea, e o consumo excessivo de álcool pode inibir a formação óssea. 

Genética

As pessoas que têm um pai ou irmão com osteoporose têm uma chance de 60% a 80% de desenvolver a doença também. Pessoas com ascendência asiática ou européia são as mais propensas a desenvolver a osteoporose, e as pessoas com ascendência africana são as menos propensas.

As pessoas magras também estão em maior risco. Ossos menores significam menor massa óssea. E as pessoas magras têm menos gordura no corpo, sendo que as células gordurosas produzem estrogênio, o que pode ajudar a prevenir a perda óssea em mulheres após a menopausa.

Condições médicas e medicamentos

Várias condições médicas, incluindo hipertireoidismo, hiperparatireoidismo e síndrome de Cushing, aumentam o risco de osteoporose. Alguns medicamentos também podem contribuir para o desgaste ósseo. Entre eles, incluem-se:

  • Os corticosteróides (para o tratamento da asma e doença pulmonar obstrutiva crônica, por exemplo);
  • Medicamentos para endometriose;
  • Os inibidores de aromatase (para o tratamento de câncer de mama);
  • Medicamentos de reposição hormonal da tireóide;
  • Antiácidos contendo alumínio (se usados em demasia).

 

Quais são os sintomas da osteoporose?

Infelizmente, a osteoporose é chamada de “doença silenciosa” porque não apresenta sintomas físicos nas suas fases iniciais. Conforme a doença progride, podem ocorrer os seguintes sintomas, que indicam enfraquecimento dos ossos:

  • Dor na parte inferior das costas ou dor de garganta;
  • Dor óssea ou sensibilidade;
  • Postura curvada (“corcunda de viúva”)
  • Perda gradual de altura
  • Fraturas após trauma menor, especialmente no quadril, coluna ou pulsos.

 

Como a osteoporose é diagnosticada?

O diagnóstico precoce é essencial. Se você acha que está em risco de osteoporose ou apresenta qualquer um dos sintomas acima, procure um médico. Ele vai fazer um diagnóstico com base no seu histórico médico, no exame físico e em um teste de densidade óssea - um procedimento indolor, preciso e não invasivo que mede a espessura do osso – a densitometria óssea.

 

 

Como a osteoporose é tratada?

Embora não haja cura para a osteoporose, existe uma variedade de opções de tratamento com potencial de reduzir, interromper ou mesmo reverter a perda óssea. Mesmo pequenas mudanças na dieta, prática de exercícios e medicação podem ajudar a prevenir as consequências mais graves da doença, como as fraturas ósseas. Há também formas de prevenção e medicamentos para tratamento da osteoporose atualmente aprovados pelo FDA.

As fraturas vertebrais por insuficiência osteoporótica podem necessitar de tratamento cirúrgico minimamente invasivo, como a cifoplastia por balão.

Consulte o seu médico para determinar qual plano de tratamento é melhor para você e siga o programa que ele recomendar para reestabelecer e manter a saúde óssea.