Av. Paulista, 91 – Cj.706, Bela Vista, São Paulo - SP  |   (11) 3141-0669 | (11) 9 3250-0669 | (11) 97393-3205  |   secretaria@cec.med.br
Artrose

Artrose de coluna lombar é uma condição extremamente limitante e, infelizmente, muito comum com o envelhecimento da população. Estima-se que pelo menos 15% da população acima de 60 anos apresente dores recorrentes em função de artrose da coluna cervical ou lombar. 

O desgaste natural das articulações do corpo afeta também a coluna vertebral, causando lesão nas cartilagens de pequenas articulações chamadas facetas, que se encontram na região posterior da coluna vertebral. Está muito associada ao desgaste simultâneo dos discos intervertebrais, causando compressões nas raízes nervosas e intensas dores.

 

Na imagem à esquerda, temos articulações facetárias saudáveis, com cartilagens íntegras, capazes de realizar um movimento livre e indolor. À direita, quadro de inflamação facetaria, com articulações irregulares que geram dor e limitação do movimento da coluna lombar.

A dor facetária progride lentamente ao longo dos anos e pode irradiar para as costas e braços (artrose cervical) ou nádegas e pernas (artrose lombar), como mostrado na figura a seguir.

 

Tratamento

Anti-inflamatórios e relaxantes musculares são drogas de primeira escolha para manejo da dor aguda assim como métodos físicos como fisioterapia e RPG podem auxiliar na reabilitação destes pacientes.

A denervação facetária é uma técnica de tratamento de dor lombar que foi descrita primeiramente por Rees em 1971. Existem hoje vários trabalhos que relatam de 50-80% de melhora da dor lombar com esse procedimento. É um procedimento comumente usado para tratamento de dor lombar, existem poucas complicações inerentes ao seu uso, podendo-se citar até 5% de incidência de neurite sem nenhum tipo de complicação grave.

Com relação a cirurgia não existem evidências que apontem que a artrodese lombar melhore dor facetária. Nenhum dos três estudos que tentaram comparar resposta da artrodese com bloqueios do ramo medial tiveram sucesso, falhando em demonstrar diferença entre os grupos.

Conclusão

A dor causada por alterações degenerativas facetárias tem sido reconhecida como sendo um dos fatores importantes da dor lombar crônica, estando associada em geral a alterações degenerativas do disco intervertebral.

História clínica, exame físico e exames de imagem contribuem muito pouco com o diagnóstico sendo necessário o bloqueio do ramo mediano para um diagnóstico mais acurado.

O tratamento permanece controverso sendo que a rizotomia facetária parece ser o que melhor apresenta resultados positivos em 1 ano.

 

Imagem A nos mostra radiografia da infiltração facetaria, enquanto figura B mosta a introdução contraste para melhor visualização do espaço articular onde será introduzida medicação analgésica.